Comprometimento da Função Cognitiva em Idosos Devido Exposição À Material Particulado

Autores

  • Aline Gavioli Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo
  • Gabriela da Silva Santos Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo
  • Maria Helena Santos de Sant'ana Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo
  • Vanessa de Oliveira Alves Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo
  • Sandra Regina Mota Rrtiz Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.37497/colloquium.v1i1.20

Palavras-chave:

Poluição, Material particulado, Neurodegeneração, Alzheimer

Resumo

O envelhecimento populacional traz consigo problemas de saúde que desafiam os sistemas de saúde e de previdência social. Envelhecer não significa necessariamente adoecer. A menos que exista doença associada, o envelhecimento está associado a um bom nível de saúde. Associações entre poluição do ar e efeitos adversos da saúde cardiopulmonar estão bem documentadas. Partículas ultrafinas (UFP; <100 nm de diâmetro), encontradas onipresentemente no ar em ambiente interno e externo, são consideradas o componente mais tóxico da poluição do ar ambiente. Evidências crescentes sugerem que os poluentes do ar também podem afetar adversamente o sistema nervoso central (SNC). Estudos epidemiológicos identificaram associações entre a exposição a diversos poluentes do ar ambiente, como material particulado (PM), ozônio, monóxido de carbono e dióxido de nitrogênio com eventos cerebrovasculares isquêmicos, com um dos primeiros estudos relatando aumento do risco de acidente vascular cerebral devido à exposição a vapores de carvão em ambientes fechados. À medida que a incidência da doença de Alzheimer (DA) e outras doenças neurodegenerativas aumentam, há um crescente interesse em fatores ambientais que podem contribuir para o início e a progressão da doença. A poluição do ar é conhecida como um grande risco à saúde há décadas. Embora seus efeitos sobre a morbimortalidade cardiopulmonar tenham sido extensivamente estudados, surgiram evidências crescentes de que a exposição ao ar poluído está associada a funções cognitivas prejudicadas em todas as idades e aumento do risco de DA e outras demências mais tarde na vida; essa associação é particularmente notável com poluentes relacionados ao tráfego.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Gavioli, Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo

Mestranda pela Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo.

Gabriela da Silva Santos, Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo

Graduanda pela Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo.

Maria Helena Santos de Sant'ana, Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo

Graduanda pela Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo

Vanessa de Oliveira Alves, Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo

Graduanda pela Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo

Sandra Regina Mota Rrtiz, Universidade São Judas Tadeu – USJT, São Paulo

Universidade São Judas Tadeu, Diretora do Stricto Sensu.

Referências

AMBIENT, W. H. O. Air Quality and Health. Fact Sheet, n. 313, 2014.

BLOCK, M. L.; CALDERÓN-GARCIDUEÑAS, L. Air pollution: mechanisms of neuroinflammation and CNS disease. Trends in Neurosciences, v. 32, n. 9, p. 506–516, 2009.

BODA, E. Compreendendo os efeitos da poluição do ar na neurogênese e gliogênese no cérebro adulto e em crescimento. p. 1–17, 2020.

CETESB. Qualidade Do Ar Ambiental. p. 1–2, 2019.

CRAIG, L. et al. Air pollution and public health: a guidance document for risk managers. Journal of toxicology and environmental health. Part A, v. 71, n. 9–10, p. 588–698, 2008.

DE PRADO BERT, P. et al. The Effects of Air Pollution on the Brain: a Review of Studies Interfacing Environmental Epidemiology and Neuroimaging. Current Environmental Health Reports, v. 5, n. 3, p. 351–364, 2018.

ESQUENAZI, D.; DA SILVA, S. B.; GUIMARÃES, M. A. Aspectos fisiopatológicos do envelhecimento humano e quedas em idosos. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, v. 13, n. 2, p. 11–20, 2014.

GOLGHETTO CASEMIRO, F. et al. Impacto da estimulação cognitiva sobre depressão, ansiedade, cognição e capacidade funcional em adultos e idosos de uma universidade aberta da terceira idade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 19, n. 4, p. 683–694, 2016.

HUGHES, S. Um terço da demência pode ser evitável com mudanças no estilo de vida. 2017.

HUSSENOEDER, F. S. et al. Mild cognitive impairment and quality of life in the oldest old: a closer look. Quality of Life Research, 2020.

INSTITUCIONALIZAÇÃO, C. N. D. E. Qualidade de vida da pessoa idosa conforme nível de institucionalização. 2017.

KALACHE, A. Programa de Envelhecimento e Saúde. Organização Mundial de Saúde, v. 13, p. 1107–1111, 2008.

KILIAN, J.; KITAZAWA, M. The emerging risk of exposure to air pollution on cognitive decline and Alzheimer’s disease – Evidence from epidemiological and animal studiesBiomedical Journal, 2018.

KILIAN, J.; KITAZAWA, M. O risco emergente de exposição à poluição do ar no declínio cognitivo e na doença de Alzheimer - Evidências de estudos epidemiológicos e em animais Palavras-chave. p. 1–60, 2020.

LIVINGSTON, G. et al. Dementia prevention, intervention, and care: 2020 report of the Lancet Commission. The Lancet, v. 396, n. 10248, p. 413–446, 2020.

NAVEH-BENJAMIN, M. et al. Age-related differences in immediate serial recall: dissociating chunk formation and capacity. Memory & cognition, v. 35, n. 4, p. 724–737, Jun. 2007.

SUADES-GONZÁLEZ, E. et al. Air Pollution and Neuropsychological Development: A Review of the Latest Evidence. Endocrinology, v. 156, n. 10, p. 3473–3482, Out. 2015.

VIANA DE FREITAS, E. . P.; LIGIA. Tratado de geriatria e gerontologia. 3o ed. [s.l: s.n.].

WHO. Burden of disease from Ambient Air Pollution for 2016. n. Lmi, p. 2012–2014, 2016.

Downloads

Publicado

2021-01-05

Como Citar

GAVIOLI, A. .; SANTOS, G. da S. .; SANT’ANA, M. H. S. de .; ALVES, V. de O. .; MOTA RRTIZ, S. R. . Comprometimento da Função Cognitiva em Idosos Devido Exposição À Material Particulado . Colloquium: health and education, Mooca (SP), v. 1, n. 1, p. e020, 2021. DOI: 10.37497/colloquium.v1i1.20. Disponível em: https://colloquimhealtheducation.com.br/recs/article/view/20. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)