Jogo Adaptado na Educação Física Inclusiva

Empoderamento À Luz da Complexidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.37497/colloquium.v2i1.37

Palavras-chave:

Currículo, Escola, inclusão

Resumo

Neste artigo temos como objetivo analisar a coerência propositiva de jogos adaptados para a ampliação das práticas inclusivas na educação física escolar. Trata-se de uma investigação qualitativa, de caráter exploratório, amparada no entendimento de educação física a partir da noção de complexidade (Ovens, Hopper & Butler, 2013). O âmbito da educação e da educação física está inserido em uma sociedade globalizada e a aparente linearidade dos pressupostos e processos investigativos acadêmicos tem sido questionada no campo educativo. Nesse sentido, analisamos uma perspectiva de educação física inclusiva amparada por princípios de não linearidade e de instabilidade que, por sua vez, considera que visões restritas e reducionistas não dão conta de explicar a dinâmica da contemporaneidade. Encontramos que o conceito de empoderamento permeia várias possibilidades para a educação física inclusiva, nas quais o jogo adaptado tem posição central.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janísio Xavier de Souza, Universidade São Judas Tadeu, São Paulo

Possui graduação em Licenciatura Em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1989), mestrado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e doutorado em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu (2019). Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física, atuando principalmente nos seguintes temas: educação física, atividade física, educação física escolar, esporte e educação física infantil. Atualmente é membro do Grupo de Estudos em Educação Física e Pessoas com Deficiência, exercendo a função de pesquisador.

Gustawo Lemos Borges, Universidade São Judas Tadeu, São Paulo

Licenciado em Pedagogia pela Universidade Nove de Julho (2017). Graduado em Educação Física Licenciatura e Bacharelado (2008) pela Universidade Metropolitana de Santos. Especialista na área de Psicomotricidade (2016) pela Faculdade Venda Nova do Imigrante. Especialista na de transtorno global do desenvolvimento pela Universidade Candido Mendes. Especialista em Libras pela Universidade Candido Mendes. É Professor de Educação Física efetivo nas Prefeituras de São Bernardo do Campo e Santo André na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I. Atuou como Docente na prefeitura de Suzano (2011-2014). Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física Escolar, inclusão na educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Paulo Freire, projeto político-pedagógico, Prática pedagógica em Educação Física e Circulo de Cultura na Educação Física Escolar

Leandro de Castro Coresma, Universidade São Judas Tadeu, São Paulo

Mestrando em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu (USJT). Especialista em Psicomotricidade pela Universidade Nove de Julho (Uninove / 2012). Formado em Licenciatura Plena em Educação Física pela Escola Superior de Educação Física de Jundiaí (ESEFJ / 2007). Atualmente é membro do Grupo de Estudos em Educação Física e Pessoas com Deficiência (Universidade São Judas Tadeu - USJT). É coordenador de área e professor de Educação Física no Instituto Pentágono de Educação -SP. Atuou como professor de Educação do Movimento no Centro de Educação Infantil Nossa Senhora dos Pobres (2012), professor de Natação no Colégio Pentágono (2013), professor de Natação na academia Ação e Natação (2015). Possui experiência nas áreas de Educação e Esportes, com ênfase em Educação e Corpo em Movimento.

Graciele Massoli Rodrigues, Universidade São Judas Tadeu, São Paulo

Doutorado e Mestrado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas. Especialização em Educação Física para Pessoas Portadoras de Deficiência (1991). Professora da Escola Superior de Educação Física de Jundiaí e da Universidade São Judas Tadeu. Professora e orientadora no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física - Mestrado e Doutorado - na Universidade São Judas Tadeu. Pesquisadora do Instituto Ânima. Líder do Grupo de Estudos em Educação Física e Pessoas com Deficiência. Editora Chefe da Revista Colloquium: health and education dos Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Educação Física e Ciências do Envelhecimento. Membro do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE) desde de 1996 e da Sociedade Brasileira de Atividade Motora Adaptada (SOBAMA) desde 1995. Membro do Comitê Científico GTT Inclusão e Diferenças do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte e membro da Associação Brasileira dos Editores Científicos. Líder e Coordenadora do Grupo de Estudos em Educação Física e Pessoas com Deficiência (CNPq) vinculado à Universidade São Judas Tadeu desde 2011. Atua na área de Educação Física, com ênfase nos seguintes temas: deficiência, exclusão e diferença, inclusão escolar, educação física escolar, educação física adaptada, esporte adaptado e dança.

Elisabete dos Santos Freire, Universidade São Judas Tadeu, São Paulo

Licenciada (1990) e Mestre (1999) em Educação Física pela Universidade de São Paulo, Doutora (2012) em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu e Graduada em Pedagogia (2020). Atualmente, é Coordenadora do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Educação Física da Universidade São Judas Tadeu e professora nos cursos de Pós-graduação e de graduação em Educação Física e Pedagogia. Atua também como pesquisadora do Instituto Ânima Sociesc de Inovação, Pesquisa e Cultura. Atuou, também, com o Ensino da Educação Física na Escola, trabalhando nos diferentes níveis de ensino da Educação Básica, o que motivou a escolha da principal linha de pesquisa a qual se dedica: Educação Física, Escola e Currículo. Nos últimos anos tem desenvolvido pesquisas sobre os saberes escolares a serem aprendidos nas aulas de Educação Física. É Líder do Grupo Diálogos: Educação Física, Escola e Currículo.

Luiz Sanches Neto, Universidade Federal do Ceará, Ceará

Professor adjunto da Universidade Federal do Ceará (UFC), no Instituto de Educação Física e Esportes (IEFEs). Membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Vice-Coordenador de Núcleo/Polo do Programa de Mestrado Profissional em Educação Física em Rede Nacional (ProEF-UFC) ²Bacharel (1994-98) e Licenciado em Educação Física (1997-99) pela Universidade de São Paulo (USP). Mestre (2000-3) e Doutor em Pedagogia da Motricidade Humana (2011-14) com Pós-Doutorado em Educação (2015-16) pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Estudante pesquisador visitante na Université de Montréal, Québec, Canadá (2013-14) com projeto financiado pela FAPESP ¹Trabalhou em universidades na região metropolitana, interior e litoral de São Paulo (2001-16), em escola da rede pública municipal (2002-7) e coautor do currículo de Educação Física da rede pública estadual (2007-8) ³Pesquisa temáticas relacionadas à Educação Física Escolar: sistematização de princípios curriculares, complexidade e justiça social, relações étnico-raciais e antirracismo, autoestudo e narrativas (auto)biográficas, práticas colaborativas e processos formativos permanentes de professores(as) ³Membro do grupo autônomo de Professores(as)-Pesquisadores(as) de Educação Física Escolar (desde 2005), NEPEF-FPCT (Unesp) [Antena CRIFPE-Brasil], da rede internacional de pesquisa SINC - Special Interest Network in Complexity, AERA - American Educational Research Association [S-STEP] e ISATT - International Study Association on Teachers and Teaching (desde 2011) ³Líder do grupo de pesquisa em Educação Física Escolar e Processos Formativos Colaborativos AIP, vice-líder do GEPEFERS (IEFEs-UFC) [Rede Repères] e coeditor da Revista Brasileira de Educação Física Escolar. Coordenador do PIBID (subprojeto de Educação Física), colaborador do Programa de Residência Pedagógica e membro do comitê científico do GTT-Escola do CBCE.

Referências

Bobbio, N., Matteucci, N., & Pasquino, G. (2002). Dicionário de Política. Brasília: Universidade de Brasília

Lei nº.9.394, de 24 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação - LDB. Brasília, DF. Recuperado em 10 de abril de 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Carmo, A. A. (2006). A escola não seriada e inclusão escolar: a pedagogia da unidade na diversidade. Uberlândia: EDUFU.

Davis, B., & Sumara, D. J. (2006). Complexity and education: Inquiries into learning, teaching, and research. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Declaração de Salamanca de 1994. (1994). Necessidades educativas especiais – NEE. Em. Conferência Mundial sobre NEE. Salamanca, Espanha: UNESCO.

Foucault, M. (2004). Microfísica do poder: organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal.

Freire, P. & Shor, I. (2008). Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gee, J.P. (2007). Good video games and good learning. New York: Peter Lang.

Goffman, E. (1988) Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara.

Jess, M., Atencio, M., & Carse, N. (2013). Introducing conditions of complexity in the context of Scottish physical education. Em Ovens, A., Hopper, T., & Butler, J. (Ed.), Complexity thinking in physical education: reframing curriculum, pedagogy and research. (pp. 27-41). New York: Routledge

Mantoan, M. T. E. (2010). O direito de ser, sendo diferente, na escola. Em Rodrigues, D. Inclusão e Educação: Doze Olhares sobre a Educação Inclusiva. (pp. 183-210). São Paulo: Summus.

Morin, E. (2010) Meu caminho: entrevistas com Djénane Kareh Tager. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Morin, E., Motta, R. D. & Ciurana, E.R. (2003). Educar para a era planetária: O pensamento complexo como método de aprendizagem no erro e na incerteza humana. São Paulo: Cortez.

Negrine, A. (2004). Instrumentos de coleta de informações na pesquisa qualitativa. Em: Molina, N.V. & Triviños, A. A. (Ed), Pesquisa qualitativa em Educação Física: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Sulina.

Ovens, A., Hopper, T. & Butler, J. (2013). Complexity thinking in physical education: reframing curriculum, pedagogy and research. New York: Routledge.

Richardson K. P., Sheehy D. & Hopper T. (2013). Modification by adaptation: proposing another pedagogical principle for TGfU. Em Ovens, A., Hopper, T. & Butler, J. (Ed.), Modification by adaptation Proposing another pedagogical principle for TGfU. (pp.181-193). New York: Routledge,

Rodrigues, G. M. & Freitas, D. P. (2011). Saber do que sabe a pessoa com deficiência: reflexões sobre a família e a escola na prática pedagógica. Em Chicon, J. F. & Rodrigues, G. M. (Ed.), Práticas Pedagógicas e Pesquisa em Educação Física Escolar Inclusiva. (pp. 109-127). Vitória: EDUFES.

Rossi, A. & Carroll, T. (2013). Ongoing adaptation as a feature of complexity: further thoughts and possible ideas for pedagogy in physical activity. Em Ovens, A., Hopper, T. & Butler, J. (Ed.), Ongoing adaptation as a feature of complexity Further thoughts and possible ideas for pedagogy in physical activity. (pp. 79-92). New York: Routledge.

Souza, J. X., Vieira, P. B. A., Saboia, S. N. C., Rodrigues, G. M., Freire, E. S. & Sanches Neto, L. A. (2015. maio). Complexidade do pensamento e da produção de conhecimento na educação física escolar: aproximações e configurações. Anais do Congresso dos Professores de Educação Física, Londrina, PR, Brasil

Tani, G. (1996a). Cinesiologia, Educação Física e esporte: ordem emanente do caos na estrutura acadêmica. Motus Corporis, 3 (2), pp.9-50.

Tani, G. (1996b). Vivências práticas no curso de graduação em educação física: necessidade, luxo ou perda de tempo?. Caderno Documentos, Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo, 2, pp.1-27.

Touraine, A. (2004). Poderemos viver juntos? Iguais e diferentes. Petrópolis: Vozes.

Vasconcellos, M. J. E. (2013). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus.

Wallian, N. & Chang, C. (2013). The complex thinking paradigm in physical education teacher education: perspectives on the ‘reflective practitioner’ concept in France. Em Ovens, A., Hopper, T. & Butler, J. (Ed.). The complex thinking paradigm in physical education teacher education Perspectives on the ‘reflective practitioner’ concept in France. (pp.168-180). New York: Routledge.

Downloads

Publicado

2022-12-20

Como Citar

SOUZA, J. X. de; BORGES, G. L.; CORESMA, L. de C.; RODRIGUES, G. M.; FREIRE, E. dos S.; SANCHES NETO, L. Jogo Adaptado na Educação Física Inclusiva: Empoderamento À Luz da Complexidade. Colloquium: health and education, Mooca (SP), v. 2, n. 1, p. e037, 2022. DOI: 10.37497/colloquium.v2i1.37. Disponível em: https://colloquimhealtheducation.com.br/recs/article/view/37. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)